Você está aqui » Mecânica » Motores 2 e 4 Tempos.

Motores 2 Tempos

Motores 2 tempos não têm válvulas de admissão e escape nem comando de válvulas, o que simplifica sua construção e reduz seu peso. Motores dois tempos têm uma explosão a cada giro, enquanto que nos motores quatro tempos a combustão ocorre um giro sim, um giro não. Isso dá um ganho significativo de potência aos motores dois tempos. Motores dois tempos podem funcionar em qualquer direção, por isso a sua utilização em equipamentos como as motosserras.


Esta arquitetura de motores não chegam nem perto de atingir a durabilidade de motores 4 tempos, pois não ha neles uma lubrificação dedicada e isso faz com que as partes se desgastem muito mais rápido. O óleo para motores dois tempos é caro, e diluído diretamente no tanque de combustível junto com a gasolina. E necessário colocar cerca de 25 ml de óleo a cada litro de gasolina, isso além de pouco eficiente gera aquela fumaça excessiva que sai do escapamentos.


O ciclo de dois tempos compõe-se de dois movimentos do pistão: um ascendente e outro descendente. No primeiro, o pistão cria uma depressão no cárter, admitindo a mistura ar/combustível. Essa mistura vem do carburador, entra pela janela de admissão e dirige-se para o cárter. Ao mesmo tempo o pistão comprime a mistura que está na câmara de combustão.


Um pouco antes de o pistão atingir o PMS (ponto morto superior), salta uma centelha na vela, provocando a combustão da mistura. Os gases produzidos expandem-se e arremessam o pistão para baixo, iniciando seu movimento descendente. No movimento descendente do pistão, os gases da combustão são expelidos pela janela de escape. Em seguida, abre-se a janela de transferência e a mistura do cárter é forçada a se dirigir para o interior do cilindro.

 

Ypvs

YPVS que traduzindo significa (Sistema Yamaha de Válvula de Potência). Tal sistema tem a finalidade de tornar estável a curva de aceleração do motor, usando-se meios elétricos e mecânicos para fazê-lo.


Tal controle proporciona uma aceleração mais precisa, limitando a potência do motor na baixa rotação e liberando toda a potência do motor na alta rotação.


O funcionamento do sistema é relativamente simples, uma vez que no controlador YPVS esta localizado um componente eletrônico chamado de micro controlador, que possui um programa interno capaz de monitorar ao mesmo tempo a quantas rotações se encontra o motor e qual posição a válvula se encontra, estando recebendo estes dados.


O micro controlador possui um software capaz de posicionar a válvula no ponto exato que o fabricante especificou, então quando se acelera o motor, a unidade de CDI informa para unidade de controle YPVS qual a rotação do mesmo (via pulsos elétricos), este então processa o sinal de aceleração e ao mesmo tempo verifica qual a posição da válvula (qualquer uma entre aberta e fechada), logo em seguida ele envia o comando para o servo-motor (se para ele abrir, fechar ou manter a válvula na mesma posição), estes ciclos se mantêm incessantemente enquanto o motor estiver ligado.

 

Motores 4 Tempos

Para entendermos como funcionam os quatro tempos do motor, primeiramente precisamos entender como funciona um motor de combustão interna. O principio básico de um motor a combustão interna é colocar uma pequena quantidade de combustível (gasolina, álcool, diesel etc.) e queimá-lo, gerando uma quantidade enorme de energia em forma de calor e de gases em violenta expansão.


Ao se criar um ciclo que permita controlar e disparar essas explosões milhares de vezes pode-se utilizar essa energia para movimentar um eixo e uma roda. Trata-se de uma máquina termodinâmica que transforma calor em movimento, chamada motor.


Simplificando, o motor suga uma quantidade de mistura ar/combustível e a comprime com o pistão dentro do cilindro, depois dispara uma faísca no momento exato, incendiando a mistura, a queima do combustível nessas condições causa um aumento de temperatura e pressão.


Essa energia empurra os pistões que através das bielas fazem girar o virabrequim, ao final os gases queimados são expelidos pelo escapamento e o ciclo recomeça. O controle dos tempos é feito através do comando de válvulas e de ignição.


1° Tempo admissão, o pistão começa no PMS (Ponto Morto Superior). A válvula de admissão abre e o pistão desce para o PMI (Ponto Morto Inferior), sugando a mistura ar/combustível devido ao aumento do volume do cilindro e conseqüentemente queda de pressão em seu interior, ao final a válvula de admissão é fechada.


2° Tempo compressão, a válvula de admissão fecha, e o pistão sobe do PMI (Ponto Morto Inferior) de volta ao PMS (Ponto Morto Superior), comprimindo a mistura e aumentando a sua eficiência para a combustão. As válvulas de admissão e escape estão fechadas.


3° Tempo combustão, as válvulas de admissão e escape continuam fechadas. No momento certo, o sistema de ignição envia eletricidade à vela de ignição, que dispara uma faísca. A mistura ar/combustível se incendeia, esquentando e expandindo seu volume, empurrando violentamente o pistão para baixo. Este é o único tempo que gera força, todos os outros são como parasitas, necessários para que o motor complete o ciclo. No final desse tempo, a válvula de escape abre.


4° Tempo escape, quando o pistão passa pelo PMI (Ponto Morto Inferior), a válvula de escape abre e o pistão sobe, empurrando os gases queimados para fora do ciclo. A válvula de admissão está fechada. Depois dessa "limpeza", o cilindro pode então ser novamente preenchido com mistura nova, recomeçando o ciclo.


Autor: João Carlos »